Porto Alegre: Smams estreia ação Árvore do Mês com ipês

Como forma de promover educação ambiental e informar a população sobre a riqueza arbórea da cidade, a Secretaria Municipal do Meio Ambiente e da Sustentabilidade (Smams) dá início à divulgação da Árvore do Mês.

O secretário Germano Bremm destaca que setembro foi escolhido para dar início à ação por três motivos: o Dia da Árvore é comemorado no dia 21, a primavera começa no dia 23 e os ipês estão florindo.

“Basta circular pelas ruas de Porto Alegre para encher os olhos com as cores dos ipês que estão floridos. Avenidas como Dom Pedro II, Ipiranga, Aureliano de Figueiredo Pinto, Guilherme Alves, Carlos Gomes e Brasiliano de Moraes estão adornadas pelo colorido dos ipês-roxos, que florescem nesta época do ano e trazem mais alegria para a cidade”, explica Bremm.

O secretário também ressalta que divulgar informações sobre as espécies arbóreas contribui com a valorização e a preservação da vegetação urbana, que traz inúmeros benefícios para a cidade. “Além de embelezar a cidade, as árvores promovem a retenção e a infiltração das águas das chuvas, mitigando danos de enxurradas. Captam gases de efeito estufa, fornecem habitat para diversas espécies da fauna, aliviam os efeitos de ilhas de calor e produzem sombra, o que possibilita reduzir o consumo de energia elétrica no verão”, frisa.

A aposentada Célia dos Santos, 69 anos, passa todos os dias pela avenida Aureliano de Figueiredo Pinto e não escondia o contentamento com as árvores floridas que admirava. “Esta rua faz parte da minha rotina e é uma alegria vê-la assim, tão linda. Muda o astral do dia da gente”.

Características dos ipês: O ipê-roxo (Tabebuia avellanedae), também conhecido como ipê-rosa, e o ipê-amarelo (Handroanthus albus) são árvores nativas da América do Sul e têm seu nome originado do tupi, que significa árvore cascuda. A madeira apresenta boa durabilidade, sendo difícil de serrar ou pregar. As árvores denominadas ipê, são na verdade, várias espécies com características semelhantes, com flores brancas, amarelas ou roxas. Não há região do país onde não exista pelo menos uma espécie dele.

Texto de: Aline Czarnobay e Cibele Carneiro
Edição de: Taís Dimer Dihl
Fotos: Sérgio Louruz /SMAMS PMPA
Fonte: PMPA